1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer

UEM engajada no combate às mudanças climáticas

UEM-UE-2022

A Universidade Eduardo Mondlane tem vindo a desenhar estratégias que reforçam a capacidade nacional de resposta aos desafios impostos pelas mudanças climáticas, cujos efeitos retardam o desenvolvimento do País.
A informação foi revelada esta quarta-feira, no Campus Principal da UEM, pela Vice-Reitora Académica, Prof. Doutora Amália Uamusse, durante a celebração da Semana da Europa, que decorreu sob o lema “O Envolvimento dos Jovens Hoje, Um Moçambique Verde Amanhã”.
Explicou que a universidade está atenta à necessidade de dar respostas científicas a questão das alterações climáticas, trazendo o exemplo do curso de mestrado em Gestão de Risco de Desastres e Adaptação às Mudanças climática, recentemente implementado, pela Faculdade de Ciências.
“Formamos especialistas para exercerem actividades académicas e profissionais nos vários domínios desta matéria. Neste sentido, a UEM está a investir para responder aos desafios impostos pelas mudanças climáticas cujos efeitos são severos”, justificou.
A Vice-Reitora afirmou que o debate sobre mudanças climáticas traduz a vontade de todos intervenientes em encontrar soluções para um problema que preocupa o mundo e, particularmente, o País que tem sido fustigado por desastres naturais.
“Estas celebrações constituem também mais uma oportunidade de estreitamento das relações entre a UEM e União Europeia para a realização de iniciativas com impacto global”, referiu.
Por sua vez, o embaixador da União Europeia em Moçambique, António Sánchez-Benedito Gaspar, disse que debates com estudantes desta instituição de ensino superior têm sido frequentes nas celebrações da Semana da Europa, visando envolver a juventude na busca de soluções para problemas globais.
“O aquecimento do planeta e as mudanças climáticas são uma realidade que influencia no aumento da pobreza e desigualdades sociais no mundo, exigindo o envolvimento e a intervenção de todos para a mitigação dos seus efeitos”, alertou.
O evento foi organizado pela União Europeia em colaboração com a Universidade Eduardo Mondlane e a Associação dos Estudantes Finalistas Universitários de Moçambique.
Para além de representantes da UE e do governo, participaram do evento docentes, ambientalistas e estudantes de várias instituições de ensino.